Proibidão: perguntas frequentes

Do mesmo modo que Pascal Ory no livro Do Fascismo (Paris: Perrin, 2003), apresentamos um conjunto de perguntas frequentes, ou FAQs, sobre o proibidão.

MC Mascote: colaborador do Estado

Eu chamei a atenção da autoridade. Eu chamei a atenção do Estado. Olha só o que acontece aqui em cima! Socorre nós, meu irmão! Socorre nós!

Vincent na Chatuba

Na tarde de terça-feira, 9 de dezembro de 2014, o fotógrafo Vincent Rosenblatt concedeu esta entrevista, entrecortada por baforadas de cigarros Nat Sherman, enquanto preparava o ateliê para, à noite, receber colecionadores e marchands.

Notas sobre o funk

Com tambor ou sem ele, o funk carioca é uma estratégia de sobrevivência. Tanto mais o matam, mais intensamente ele vive, tantas outras formas assume, tão mais incômodas e provocativas. Ele se alimenta do genocídio nosso de cada dia.

DJ Lugarino, 1998

Na tarde de terça-feira, 17 de março de 2014, o DJ Marcelo André reuniu em sua residência os DJs Lugarino e Luciano Oliveira mais alguns amigos. Pude então conversar com Lugarino sobre o CD que ele produziu em 1998.

Visão de cria

Nós fecha nessa porra no claro e no escuro, nós roba, nós trafica, nós não gosta de andar duro. É só de Hornet pra cima no bonde do caça-tesouro, é só guerrilheiro bolado que anda trepado e pesado de ouro.

DJ Luciano: o Tamborzão

Nacionalizamos o funk. Deixamos de usar os loops de fora. Começamos a criar os nossos aqui. Acho que basicamente foi isso. O ritmo inclusive mudou bastante. O Tamborzão mudou o jeito de criar as músicas. Ficou mais suingado eu diria, mais dançante, mais sensual.

Grandmaster Raphael

A partir de 1988, 1989 começou essa coisa de fazer o funk, o nosso funk. E eu sou um dos responsáveis, que começou isso, junto com o Marlboro, que também estava nessa coisa de fazer funk em português. Ele tinha lá o movimento de uma maneira, e eu fazia de uma outra maneira.

Praga: o compositor

O mercado do funk não tem espaço para compositor. Nunca teve. Isto está sendo bacana, isto que estou conseguindo realizar, uma coisa que já via lá atrás.

Tamborzão: fortuna crítica

A contraposição entre uma música que aconteça “de dentro para fora” e outra que ocorra “de fora para dentro” não tem qualquer embasamento na História. Trata-se da expressão de uma ideologia, esta sim, em crise.